África Habitat - Media Imagem de fundo de topo
Media

Notícias Luanda

22 de Fevereiro de 2019

Chuva causa duas mortes e desabamento de ponte

Dois mortos e o desabamento da ponte na rua Olímpio Maquera, que liga os distritos do
Neves Bendinha e Palanca, centenas de residências e ruas inundadas é o balanço
provisório da chuva que iniciou por volta das 21 horas de quinta-feira até a madrugada do dia 22 de Fevereiro de 2019, em Luanda.
As mortes aconteceram no bairro Rasta, afecto ao município do Kilamba Kiaxi em
consequência do desabamento de uma residência, segundo os Serviços de Protecção
Civil e Bombeiros de Luanda.
O governador de Luanda, Sérgio Luther Rescova, está neste momento a visitar as zonas
afectadas pela chuva, tendo iniciado pela rua Olímpio Macuéria para com administração
local, encontrar alternativas para facilitar a circulação de pessoas e viaturas.

 

Notícias Maputo

13 de Fevereiro de 2019, às 13:22


Aumenta população a precisar de assistência alimentar de emergência em Moçambique

Cerca de 800 mil pessoas estão a precisar de assistência alimentar de emergência em
Moçambique, mais 500 mil do que as apoiadas há um ano, de acordo com dados hoje
divulgados pelo Programa Alimentar Mundial (PAM).

"O PAM estima que um total de 815.000 pessoas estejam com necessidade de assistência alimentar de emergência durante a atual estação de escassez, o que pode levar a aumentos na desnutrição aguda se não forem adequadamente tratados", anunciou hoje a agência das Nações Unidas, em comunicado.

As regiões mais afetadas estão no centro e sul do país devido à seca e infestações naquela que se classifica como "estação de escassez" agrícola, em que é cíclico o aumento da insegurança alimentar, entre novembro e as colheitas seguintes, que decorrem de abril a junho.

Há um ano, cerca de 320.000 pessoas tinham beneficiado dos programas de apoio alimentar e resiliência, sem sinalização de outros casos urgentes, mas com antevisão de condições adversas à agricultura - praticada em forma de subsistência pela maioria da população moçambicana.

Para fazer face à situação atual, o Reino Unido está a apoiar com 7,5 milhões de libras (cerca de 8,5 milhões euros) 120.000 pessoas nos distritos mais afetados pela seca na província de Tete.

Os beneficiários vão receber "transferências monetárias", em forma de senhas ou dinheiro no telemóvel, que lhes permite comprar alimentos nos mercados locais, refere o PAM em comunicado.

A ação apoia a população carenciada e os retalhistas locais e é desenvolvida "em estreita colaboração com as comunidades locais, autoridades e parceiros setoriais, incluindo o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e o Instituto Nacional de Ação Social (INAS)".

A parceria com o Reino Unido inclui ainda tratamentos para 11.000 crianças menores de cinco anos e 5.000 mulheres grávidas e lactantes que sofrem de desnutrição aguda moderada, em vários distritos das províncias de Cabo Delgado, Manica, Tete e Zambézia.

"O PAM está muito grato pela contribuição do Reino Unido, permitindo-nos estabelecer uma resposta oportuna, agora, em pleno andamento no pico da época de escassez", disse Karin Manente, diretora nacional do programa em Moçambique.

"Uma liderança mais forte e um apoio coordenado são essenciais para agir rapidamente e responder às necessidades", acrescentou Cate Turton, chefe da cooperação britânica em Moçambique, citada no mesmo comunicado.

LFO // VM

Lusa/Fim

 

14 de Fevereiro de 2019

Economist Intelligence Unit define Moçambique como um "regime autoritário"

Filipe Nyusi |  AFP

Moçambique está actualmente definido como sendo um "regime autoritário", com uma classificação de menos de quatro em dez pontos possíveis, segundo o Índice de Democracia da Economist Intelligence Unit (EIU).

Dizendo que a mesma classificação aplica-se aos vizinhos Zimbabué e Swatini (Suazilândia), a EIU informa ter-se o índice relativo a Moçambique agravado, ao ter passado de 4,02 pontos em 2016 e 2017, "regime híbrido", para 3,85 pontos em 2018, obtendo assim a classificação de "regime autoritário."

O mais recente relatório sobre Moçambique informa terem quatro indicadores deste índice permanecido sem alteração, havendo no entanto uma quebra no que se refere ao processo eleitoral, devido às irregularidades e violência exercida sobre membros da oposição, durante e depois das eleições municipais realizadas em Outubro de 2018.